Conheça as vantagens de aprender inglês na infância

Além da maior facilidade em assimilar uma nova língua, aprender inglês na infância possui outras tantas vantagens. Descubra quais são!

Conheça as vantagens de aprender inglês na infância

Aprender inglês tem sido objeto de desejo (e necessidade) pela maioria das pessoas. A importância de falar inglês nos dias de hoje é incontestável. Mas você sabia que aprender inglês na infância tem muitas vantagens?

É o que você vai descobrir neste artigo!

A importância de aprender inglês na infância
A linguagem como instinto humano
Por que aprender inglês na infância é mais fácil?
Vantagens de aprender inglês na infância

A importância de aprender inglês na infância

Existe uma crença de que é mais difícil aprender uma segunda língua à medida que envelhecemos. Segundo ela, quanto mais precocemente uma criança tiver contato com uma língua diferente da sua, mais fácil seria sua assimilação.

Há quem conteste essa afirmação e procure destrinchar essa verdade em análises mais detalhadas, dando lugar a algumas ressalvas.

Para a ciência parece ser consenso a existência de inúmeros benefícios de aprender uma segunda língua. Em relação ao idioma inglês, ainda, ninguém nega sua importância no mundo atual, tão fortemente globalizado.

Mas apesar da grande necessidade e importância, diariamente milhões de pessoas ao redor do mundo enfrentam dificuldades, em maior ou menor grau, nesse processo. Por que será que existem essas diferenças?

É visível que enquanto alguns aprendem rapidamente, outros, mesmo se dedicando, têm grande dificuldade. Onde estaria a explicação para isso?

Não é muito claro, nem linear, chegar a uma resposta única, já que o ser humano é um ser complexo. Mas há alguns pontos de convergência entre os estudiosos do tema.

Os fatores que facilitariam a aprendizagem seriam, em síntese: a exposição precoce e constante ao idioma, a capacidade auditiva, inteligência, motivação e, claro, muita dedicação.

A linguagem como instinto humano

A ideia de que a linguagem seria um tipo de instinto foi apresentada, inicialmente, pelo famoso teórico evolucionista Charles Darwin (1809-1892).

No Século XX, essa tese foi assegurada principalmente pelo norte-americano Noam Chomsky. Ele defende a existência de uma gramática inerente aos falantes em qualquer língua.

A ideia também foi mantida pelo seu seguidor, Steven Pinker, diretor do Centro de Neurociência Cognitiva do MIT (Massachussetts Institute of Technology) e autor do livro “O Instinto da Linguagem”.

Ele reconhece que, mesmo não havendo um “órgão” da linguagem ou um “gene” da gramática, é possível identificar que as áreas ligadas à linguagem estão concentradas no hemisfério esquerdo do encéfalo.

Por que aprender inglês na infância é mais fácil?

Durante a gravidez, o bebê inicia seu contato com a língua materna, por volta dos quatro meses de gestação, quando ele começa a ouvir. Depois de nascer, a partir dos seis meses, a criança inicia a reprodução de sons graças a sua grande capacidade auditiva.

É por causa dessa capacidade dos bebês e crianças em identificar e reproduzir fonemas (unidades sonoras que formam as palavras de uma língua), que especialistas afirmam que quanto mais cedo acontecer a imersão em uma língua estrangeira, melhor será a adaptação do indivíduo a um raciocínio bilíngue.

A criança transformaria os sons daquele novo idioma em algo semelhante à sua língua materna. Uma constatação interessante é a capacidade de falar a outra língua sem sotaque quando ocorre essa exposição ainda na infância.

Já a partir da adolescência, segundo Gilberto Xavier, professor do Departamento de Fisiologia do Instituto de Biociências da USP, por volta dos 16 ou 17 anos, iniciaria a idade crítica para a aprendizagem de uma língua estrangeira.

É possível demonstrar que, em torno dos 20 anos de idade, quando nosso sistema nervoso já está “maduro”, as regiões do cérebro acionadas ao aprender outra língua diferem daquelas quando aprendemos nossa língua mãe, ou uma língua estrangeira à qual fomos expostos precocemente.

As semelhanças estruturais e de vocabulário entre a língua materna e a segunda língua aprendida, são responsáveis por facilitar o aprendizado, mas também podem ocasionar certas dificuldades.

Para um inglês é mais fácil aprender alemão, do que para um brasileiro, como exemplifica Stella Tagnin, professora do Departamento de Letras Modernas da USP.  Por outro lado, as semelhanças podem confundir e provocar interferências, como o uso do famoso “portunhol”.

Além da capacidade auditiva, é importante, na aprendizagem de outra língua, a prática, já que é esta que vai exercitar a musculatura da boca e da garganta, para reproduzir os sons, ou fonemas. Dar sentido às palavras é o estágio seguinte que a criança alcança e, por último, a compreensão das regras ou gramática.

Vantagens de aprender inglês na infância

O contato precoce com a segunda língua parece ser vantajoso na concepção da imensa maioria dos especialistas. Para a ciência, em se tratando de crianças sem dificuldades especiais, uma formação bilíngue seria perfeitamente concebível, como acontece de maneira bastante comum em países da Europa.

Mas esta prática, cabe destacar, sempre trata-se de aprendizado oral, uma vez que a alfabetização deve ser feita em um único idioma.

Muitos afirmam que a idade ideal para ter contato com a segunda língua, seria entre três e quatro anos, pois os pequenos têm uma grande capacidade cognitiva para aprender, sem prejudicar a compreensão de sua língua materna.

Esse aprendizado, porém, deve acontecer de maneira natural, sem pressões.

Dos cinco aos dez anos de idade, é preciso dar mais atenção à língua materna, para que a criança não tenha problemas com a alfabetização.

A partir dos 11 anos de idade, esse contato já não traria o risco de interferir nesse aspecto. Por outro lado, é possível que a criança que esteja tendo seu primeiro contato com a nova língua nessa faixa etária, apresente mais dificuldade em assimilá-la.

A idade crítica para aprender uma segunda língua, diferentemente do que era defendido até pouco tempo atrás pelos cientistas, ocorre logo após os 17 anos, como demonstra Joshua Hartshorne, professor de linguagem do Boston College em pesquisa recrutando 670 mil pessoas.

Naturalmente, o fator inteligência, ou a capacidade de resolver problemas, também é um aspecto a ser levado em conta ao analisar as diferentes capacidades de aprender uma segunda língua.

Do mesmo modo, o sistema de memória também tem relevância neste processo.

A prática frequente é outro componente importante. Por isso, sempre que possível, os pais devem participar de maneira ativa em casa, reforçando o estímulo à comunicação.

Mas muito além das aptidões físicas ou biológicas, para que aconteça o aprendizado de uma segunda língua, é necessário o esforço, dedicação e motivação do estudante.

Agora que você conhece as vantagens de aprender inglês na infância, confira como as metodologias ativas podem tornar o ensino mais eficiente.

Assine nossa Newsletter e receba conteúdos sobre educação e ensino de inglês no seu e-mail!